Quem sou eu

Minha foto

Inteligência Operacional é uma empresa criada por André Soares que é o seu Diretor-presidente. É pioneira no país na formulação e emprego de doutrina de Inteligência própria, consolidada oficialmente em suas obras publicadas, visando ao aperfeiçoamento da cidadania e do Estado Democrático de Direito no Brasil, em obediência aos princípios constitucionais, por parte das pessoas, organizações e instituições públicas que exerçam a Inteligência de Estado.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

"A culpa não é do PT"

Artigo de André Soares - 15/01/2018
 
 Resultado de imagem para PT

As ciências que estudam os fenômenos da “psiché”, como a psicologia e a psicanálise, tem denominações variadas, como “mecanismos de defesa do ego”, “mecanismos de culpas e desculpas”, e “racionalização”, dentre outros, para designar o tradicional comportamento humano de fuga da realidade, ignorando toda verdade desagradável e dolorosa, especialmente quando esta retrata os erros e defeitos do próprio indivíduo. Nesse contexto, quem melhor denominou este fenômeno foi o espetacular Eduardo Gianetti da Fonseca, em sua obra primorosa intitulada “Autoengano”, explicando com singular maestria a elevada capacidade do ser humano em enganar, não apenas as pessoas, mas também e principalmente de enganar a si próprio. Assim é que o autoengano não acomete apenas o indivíduo, mas também os grupos sociais que, ao invés de enfrentarem corajosamente e com altivez suas adversidades, reconhecendo seus erros e se superando coletivamente, preferem se esconder covardemente no autoengano, elegendo culpados para acusá-los de promoverem o mal que lhes aflige, o qual na verdade é obra direta da mediocridade e irresponsabilidade dessas mesmas sociedades. Provavelmente, o melhor exemplo dessa tragédia na atualidade seja o Brasil. Porque, verdade seja dita, o principal culpado pelo colapso generalizado a que o país chegou, em meio ao maior escândalo de corrupção e roubalheira dos cofres públicos da história da humanidade, não é o Partido dos Trabalhadores (PT). Quem será, então?

Indubitavelmente, um dos elementos que melhor representa uma nação e sua sociedade, em todos os sentidos, são suas instituições. E isso se torna uma verdade absoluta no contexto do estado democrático de direito, como é o caso brasileiro, porquanto nossas instituições e governantes têm a plenitude da legitimidade política, outorgada pelo sufrágio universal do voto livre dos eleitores. Significa que os partidos políticos brasileiros - e por conseguinte o PT, bem como toda a classe política e nossos governantes são absolutamente a “cara do Brasil” e o retrato mais fiel da sociedade brasileira que os elegeu, em tudo o que o país tem de melhor e também de pior.

É imperioso relembrar nossa história recente, destacando que a despeito da esquerda política brasileira ter sido derrotada pela ditadura militar em sua tentativa criminosa de tomada do poder no país por meio da luta armada, paradoxalmente foi por meio da legitimidade do voto democrático e popular que este objetivo foi alcançado. Principalmente pelo PT, cuja bem-sucedida e meteórica trajetória partidária deveu-se exclusivamente à sua consagração junto à sociedade brasileira, levando assim Luís Inácio Lula da Silva democraticamente à presidência da república em 2002, em pouco mais de 20 anos da criação do partido.

Ressalta-se também que a nação brasileira não apenas ainda reelegeu Lula na presidência da república, mas também elegeu e reelegeu a sua indicada, Dilma Rousseff, como sua sucessora, por mais dois mandatos presidenciais, perfazendo quase 16 anos consecutivos de hegemonia petista no Brasil. Significa que “nunca antes na história deste país” a escolha de nossos governantes e a responsabilidade direta pelo comando do destino pátrio estiveram entregues tão democraticamente à sociedade brasileira. E, como profetizou sabiamente o grande filósofo, “cada povo tem o governo que merece”. Portanto, se o PT chegou democraticamente ao poder máximo no país, e fez o que fez, é porque o PT é a “cara do Brasil”. Se não no que a sociedade brasileira tem de melhor, certamente no que tem de pior.

Nesse sentido, além da mentira, o autoenganado também faz uso exacerbado da hipocrisia, para fugir desesperadamente ao enfrentamento da triste verdade sobre si mesmo. Assim, a desesperada sociedade brasileira elegeu o PT e seus integrantes como sendo os principais culpados pelas mazelas nacionais, pela roubalheira, pelo caos institucional que se implantou, e principalmente pela escabrosa e secular corrupção do país, que está no “DNA” nacional desde o descobrimento. E, agora, apresenta-se a mentira e hipocrisia campeãs da preferência nacional: absolutamente todos os brasileiros, servidores públicos, bem como todas as instituições policiais e responsáveis pelo controle interno e externo do estado, nunca souberam de absolutamente nada sobre os incontáveis e gravíssimos crimes de lesa pátria, os quais só foram descobertos recentemente na operação Lava jato.

Como esta é a nação do “me engana que eu gosto”, a grande questão é saber quando a sociedade brasileira terá coragem de olhar-se no espelho e enfrentar a terrível verdade sobre si mesma. Todavia, como se trata de uma verdade de todo insuportável, certamente isso não acontecerá. Pelo menos até o holocausto nacional. Até lá, teremos as eleições presidenciais de 2018 e muitas outras, nas quais a sociedade brasileira se autoenganará com outros partidos políticos e candidatos oportunistas e corruptos, que posteriormente também serão eleitos culpados, assim como o PT. Afinal, no Brasil, a culpa é sempre dos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário